top of page
  • Pieter B.J. Ijzerman

O clima muda e não é tão desastroso como é pintado!

O International Panel of Climate Change (IPCC) é a organização mais reconhecida pelos governos quando se trata de análise, impactos e recomendações em relação a mudança do clima.


Já em 2010, a IAC ("Interacadamy Counsil - it's mission is to promote corporate and government accountability by protecting whistleblowers, advancing occupational free speech, and empowering citizen activists") abriu investigações independentes aos procedimentos e processos da IPCC, investigações essas pedidas pelas Nações Unidas. Os resultados foram bastante penalizadores para a IPCC. Erros científicos nos modelos da IPCC, preconceitos apresentados como verdades, pouco rigor acadêmico era comum no relatório sobre o clima.


Não se esqueça que os governos (incluindo Portugal) da União Europeia baseiam politicas de "combate a mudança do clima" na base dos relatórios e recomendações do IPCC. O novo relatório da IPCC, ainda está, no entanto, pior que nunca, de ponto vista de rigor nas suas afirmações. E isto tem consequências muito graves para quem tem de tomar decisões sobre medidas a tomar e, no fim, para si e os seus.


Agora saiu o novo relatório (Arc6) do IPCC e as pessoas na rua (e os media tradicionais) falam que está tudo mal, o clima está a mudar por causa das emissões CO2 e vai nos afetar muito negativamente nas nossas vidas o nas vidas dos nossos filhos, se não fazemos qualquer coisa, muito urgentemente. Isto tudo quando não há evidências acadêmicas para essas opiniões. O clima muda, sempre mudou e que estamos numa fase mais quente, sim estamos.


Isto posso afirmar mas sem argumentos não conta :-). Por isso em baixo o link para o relatório da organização sem fins lucrativos, a Clintel Foundation, que estudou os textos da Arc6 e chegou a conclusões num relatório de 180 páginas (o relatório Arc6 tem mais de 10.000 páginas..). Esta vez a ICPP está ainda pior nas suas afirmações.

20230509 Clintel-Evaluation of IPCC
.pdf
Fazer download de PDF • 7.82MB

Além do relatório, a Clintel emitiu um comunicado a imprensa da qual fiz uma tradução rudimentar:


O clima não depende apenas da quantidade do CO2 na atmosfera. Já agora sabe qual é a percentagem do CO2 na atmosfera.....?


0,04% é a resposta e mais da metade deste percentagem é causada pela natureza.



“The Frozen Climate Views of the IPCC”


Amsterdam, 9 Maio 2023


* IPCC esconde boas notícias sobre perdas em desastres e mortes relacionadas ao clima.

* O IPCC afirmou erradamente que a estimativa da sensibilidade climática é superior a 2,5°C; é mais provável abaixo de 2°C.

* O IPCC induz em erro os decisores políticos ao centrar-se num cenário implausível do pior cenário possível em matéria de emissões.

* Os erros no relatório AR6 são piores do que os que levaram à revisão da EAI em 2010.


O IPCC ignorou literatura crucial revista pelos pares, que mostra que as perdas normalizadas em catástrofes diminuíram desde 1990 e que a mortalidade humana devido a condições meteorológicas extremas diminuiu mais de 95% desde 1920. O IPCC, ao escolher a dedo a literatura, tirou as conclusões opostas, alegando o aumento dos danos e da mortalidade devido às alterações climáticas antropogénicas. Estas são duas conclusões importantes do relatório The Frozen Climate Views of the IPCC, publicado pela Fundação Clintel.


O relatório de 180 páginas é – tanto quanto sabemos – a primeira "avaliação" internacional séria do Sexto Relatório de Avaliação do IPCC. Em 13 capítulos, o relatório Clintel mostra que o IPCC reescreveu a história do clima, enfatiza um pior cenário implausível, tem um enorme viés a favor das "más notícias" e contra as "boas notícias", e mantém as boas notícias fora do Resumo para os Formuladores de Políticas.

Os erros e vieses que Clintel documenta no relatório são muito piores do que aqueles que levaram à investigação do IPCC pelo Interacademy Council (IAC Review) em 2010.

Clintel acredita que o IPCC deve ser reformado ou desmantelado.


Com o Relatório de Síntese recentemente publicado, o IPCC concluiu o seu sexto ciclo de avaliação, composto por sete relatórios no total. Uma equipa internacional de cientistas da rede Clintel analisou várias alegações dos relatórios do Grupo de Trabalho 1 (The Physical Science Basis) e do Grupo de Trabalho 2 (Impactos, Adaptação e Vulnerabilidade). Isto deu agora origem ao relatório The Frozen Climate Views of the IPCC.


Em todos os capítulos, o relatório Clintel documenta enviesamentos e erros na avaliação do IPCC. Os erros são piores no relatório do GT2 do que no relatório do GT1. Dada a relevância política do que é conhecido como "Perdas e Danos" (nas reuniões anuais da COP, os países atualmente negociam doações para um fundo de Perdas e Danos), seria de esperar uma revisão completa da literatura relevante. No entanto, a Clintel mostra que o IPCC falhou totalmente neste aspeto. Por exemplo, um artigo de revisão sobre o assunto, publicado em 2020, mostrou que 52 dos 53 artigos revisados por pares que tratam de "perdas normalizadas por desastres" não viram aumento nos danos que poderiam ser atribuídos às mudanças climáticas. O IPCC destacou o único documento que afirmava um aumento nas perdas. Esse documento é – sem surpresa – falho, mas a sua escolha pelo IPCC sugere que acharam as suas conclusões irresistíveis.


Mortes relacionadas com o clima


"Estamos em uma estrada para o inferno climático", disse recentemente Guterres, chefe da ONU. Mas uma análise aprofundada dos dados de mortalidade mostra que as mortes relacionadas com o clima estão no nível mais baixo de sempre. O conhecido economista Bjorn Lomborg publicou essa informação importante em um artigo revisado por pares em 2020, mas o IPCC, novamente, optou por ignorá-la.

A estratégia do IPCC parece ser esconder quaisquer boas notícias sobre as alterações climáticas e promover qualquer coisa má.


Apagar a história do clima


O relatório do Grupo de Trabalho 1 também não está isento de preconceitos e conclusões enganosas. O relatório documenta os problemas em todos os capítulos. O IPCC tentou reescrever a história do clima apagando a existência do chamado Holocene Thermal Maximum (ou Holoceno Climate Optimum), um período quente entre 10.000 e 6000 anos atrás. Introduziu um novo gráfico de tacos de hóquei, que é o resultado de proxies escolhidos a dedo. E ignorou reconstruções de temperatura que mostram mais variabilidade no passado, como a bem documentada Pequena Idade do Gelo.

O IPCC afirma que há uma aceleração na taxa de aumento do nível do mar nas últimas décadas. A Clintel mostrou que esta alegação é falha, porque o IPCC ignora a variabilidade decadal do nível do mar. Também mostramos que sua ferramenta ao nível do mar – disponibilizada pela primeira vez – mostra um misterioso e improvável salto para cima em 2020.


Sensibilidade climática


O economista canadense Ross McKitrick apontou que todos os modelos climáticos globais usados pelo IPCC mostram muito aquecimento na troposfera, tanto globalmente quanto nos trópicos (onde os modelos preveem um "hotspot"). Isso provavelmente indica alguns problemas fundamentais na forma como esses modelos simulam o sistema climático.


Um resultado "espetacular" do relatório IPCC AR6 foi o aumento do limite inferior para o intervalo provável de sensibilidade climática de 1,5°C a 2,5°C, alegando assim que valores baixos para a sensibilidade climática são agora improváveis. O relatório Clintel mostra que este aumento não se justifica. O relatório da Clintel sugere que o aquecimento observado e outras evidências indicam que o número real é mais provável de estar abaixo de 2°C do que acima de 2,5°C. Isto significa também que a melhor estimativa para a sensibilidade climática, que o IPCC diz ser de 3°C, não se justifica.

Além disso, o IPCC está "viciado" no seu cenário de emissões mais elevado, o chamado RCP8.5 (ou agora SSP5-8.5).


Nos últimos anos, vários artigos têm demonstrado que este cenário é implausível e não deve ser utilizado para fins políticos. No fundo do relatório do GT1, o IPCC reconhece que este cenário tem uma "baixa probabilidade", mas esta observação muito importante não foi destacada no Resumo para os decisores políticos, pelo que estes públicos importantes desconhecem a questão. O RCP8.5 é o cenário mais frequentemente referido no relatório do IPCC.


Revisão da IAC


Em 2010, erros no relatório do GT2 da Quarta Avaliação levaram à investigação do IPCC pelo Conselho Interacademia (IAC). Esta revisão recomendou, entre outras coisas, que "[h]aving authors teams with diverse viewpoints é o primeiro passo para garantir que uma gama completa de pontos de vista ponderados seja considerada". Esta importante recomendação continua a ser ignorada pelo IPCC. Pior ainda, documentamos que Roger Pielke Jr, um cientista com considerável experiência nestas áreas, é considerado uma espécie de "Voldemort" pelo IPCC, e eles deliberadamente evitam mencionar o seu trabalho ou mesmo o seu nome. Isto conduz a conclusões tendenciosas.


Reforma


Lamentamos concluir que o IPCC fez um mau trabalho na avaliação da literatura científica. Todos os países confiam nos relatórios do IPCC para apoiar as suas políticas climáticas e a maioria dos meios de comunicação social confia cegamente nas suas afirmações. O relatório da Clintel The Frozen Climate Views of the IPCC mostra que esta confiança não se justifica.


Na nossa opinião, o IPCC deve ser reformado e incluir um leque mais vasto de pontos de vista. Convidar cientistas com diferentes pontos de vista, como Roger Pielke Jr e Ross McKitrick, a participar mais ativamente no processo é um primeiro passo necessário. Se, por alguma razão, essa inclusão de pontos de vista diferentes for inaceitável, o IPCC deve ser desmantelado.


As nossas próprias conclusões sobre o clima – baseadas na mesma literatura subjacente – são muito menos sombrias. Devido ao aumento da riqueza e ao avanço da tecnologia, a humanidade é em grande parte imune às alterações climáticas e pode facilmente lidar com elas. O aquecimento global é muito menos perigoso para a humanidade do que o IPCC nos diz.



Comentarios


bottom of page