Portugal no mapa energético


O mapa dos projetos do tipo “gigafactory” da Europa, tirada do "Atlas das Baterias" do Dr. Heiner Heimes. Imagem: Battery-News.De.

Li um artigo no site de Notícias de Armazenamento de Energia e, claro, verifiquei se Portugal está no mapa com projetos de produção de baterias para veículos elétricos (VEs). Não consta na lista, já volto a falar sobre isso.


O que podemos aprender com a listagem acima das unidades de produção de baterias que estão em construção na Europa? A maioria destas unidades são para a produção de baterias para VEs, algumas delas para baterias de armazenagem estacionário. Admito não ter verificado quem são todos acionistas destas unidades. Mas basta olhar para os nomes, pode-se facilmente correlacionar os fabricantes de automóveis bem-sucedidos na esfera VE e o seu compromisso direto com a produção de baterias. Assim, a Tesla (líder mundial), a BYD e a Volkswagen estão lá e certamente a CATL deve ser adicionada a essa lista (são proprietárias de várias unidades de produção chinesa de EV).


Portugal não está neste mapa, o que é estranho, a meu ver. Temos um porto (Sines) que permite que as matérias-primas sejam enviadas diretamente do Atlântico. Temos uma boa infraestrutura e custos de mão-de-obra competitivos, embora não saiba se temos pessoas na indústria química, já que não é um ponto forte em Portugal.


Para mim, parece-me bastante lógico atrair investimentos de produção de baterias, pois no momento em que abrimos fábricas, os fabricantes de automóveis que entendam o que é preciso fazer para produzir EV de forma eficiente, também vão abrir unidades de produção de Ves em Portugal. A consequência seria que se duplicaria o impacto em termos de diversificação: a produção de baterias e a produção de automóveis.


O governo português não está consciente e, em vez disso, centra-se nos projetos de "hidrogénio verde", aparentemente. Estranho, as baterias EV estão a perturbar a indústria automóvel agora, não no futuro, é agora. Assim, se o meu país estivesse numa necessidade estratégica de diversificar o seu portfólio da indústria, que tipo de investimento de produção escolheria como prioridade? Bom, deixo esta pergunta para o resto de um bom domingo!